Roteiro histórico em Garibaldi: “Passadas – A arquitetura do olhar”

Atualizado por em 14/09/2017

Manuela Colla

Estive em Garibaldi para cobrir a sexta edição do Garibaldi Vintage e aproveitei para fazer independentemente um roteiro histórico em Garibaldi, vem saber como foi!

roteiro-historico-em-garibaldi_mansao_viajando-bem-e-barato

Roteiro histórico em Garibaldi: o passado em casas

Garibaldi é uma cidade rica em cultura e história e sua antiga arquitetura remonta à época da colonização. Algumas construções em tijolo à vista são obras dos antepassados imigrantes do início do século XX. Garibaldi foi colonizada por imigrantes italianos mas também teve forte influência da cultura francesa (transmitida pelas congregações religiosas de origem francesa). Além disso, Garibaldi também recebeu algumas famílias sírio-libanesas que desenvolveram bastante o comércio da cidade.

A Buarque de Macedo, que acabou de ser totalmente revitalizada, é o principal palco de toda essa diversidade e foi por onde fiz minha caminhada para começar a desbravar o casario antigo da cidade, acompanhada dos blogueiros que estavam participando da cobertura do Garibaldi Vintage. A Buarque antigamente era uma estrada que ligava os municípios da região (desde 1880) e, ao redor dela, a cidade foi crescendo – até hoje, o centro histórico é super preservado, com seus imensos 35 casarões do início do século passado. Algumas outras atrações do roteiro histórico “Passadas” ficam mais afastadas, como o Cemitério Municipal e o Convento São José.

Se você quiser fazer o passeio de Tim-Tim pelo roteiro “Passadas” e também para conhecer mais Garibaldi, ele sai todos os sábados às 11h na frente do Centro de Atendimento (CAT), na Avenida Independência (ao lado da Cooperativa Garibaldi). O Tim-Tim é um caminhão de guerra modelo GMC de 1944, adaptado para o transporte de turistas, com capacidade de 50 lugares.

Bora lá ver algumas construções por onde passamos? Garanto que você vai se encantar com tanta história!

União de Moços Católicos – 1936

Fundada sob o lema “Deus e Pátria” (uma motivação bem típica da época), é a mais antiga sociedade organizada em Garibaldi de que se tem notícia. O objetivo da associação era reunir os jovens católicos e propagar a religião, além de defender os ideais da Igreja Católica. A imensa maioria da população da cidade é descendente de italianos, o povo mais católico de todo o mundo, e eles lotavam a União de Moços Católicos em seus eventos recreativos e esportivos.

roteiro-historico-em-garibaldi_uniao_viajando-bem-e-barato

Casa Antônio Koff – 1923

Nem só de imigrantes italianos foi feita Garibaldi – os irmãos Antônio e André Pedro, juntamente do amigo Moisés Mereb, foram para Garibaldi diretamente da Síria em busca de uma vida melhor e mais próspera no início do século XX. Os três amigos comercializavam tecidos e confecções por toda a região, até atingirem a quantia necessária de dinheiro para estabelecerem seu comércio no centro da cidade. Uma destas belíssimas construções é a Casa Antônio Koff, cheia de ricos detalhes e absolutamente bem conservada.

roteiro-historico-em-garibaldi_koff_viajando-bem-e-barato

Casa de Pasto – 1897

Quando construído, era um hotel para os tropeiros e mascates que passavam pela região de Garibaldi – e eles eram muitos no auge da Estrada Buarque de Macedo. Depois disso, foi o lugar onde aconteciam grandes festas e banquetes da cidade. Seu pátio tem uma fonte de água, onde ficavam “estacionados” os cavalos dos hóspedes. A família Zorzi, proprietária do imóvel, mais tarde abriu um armazém de secos e molhados ali e também oferecia mesa de bilhar para os frequentadores.

roteiro-historico-em-garibaldi_pasto_viajando-bem-e-barato

Casa Vicente Branchi – 1920

Inicialmente a construção foi erguida por Vicente Branchi no início da década de 20 para ser residência de sua família. Devido à sua localização privilegiada, mais tarde, ela passou a ser um comércio e também uma agência do Banco da Província e Cartório de Notas e Registros de Garibaldi. Hoje, abriga uma charmosa loja de bijus onde sempre dou uma passadinha quando estou em Garibaldi. 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_casa-vicente-branchi_viajando-bem-e-barato

Mansão Mazzini – 1921 (e a Casa de Veraneio Mazzini, que fica ao lado, de 1921)

Não consultei o Rogério mas imagino que essa mansão belíssima (e abandonada) deve ter dado gerado algum fascínio nas crianças que moravam lá. Olhar pra bela construção é lembrar imediatamente do Renascentismo Italiano, uma das inspirações do seu construtor e proprietário, Agostinho Mazzini. Bem no alto da fachada, o brasão da família decora a casa. Ficamos todos imaginando o motivo de uma construção tão linda estar abandonada – depois de uma pesquisada, descobri que a última herdeira, Adelina, deixou em testamento seu desejo de manter a casa por, pelo menos, seis gerações da família ou, ao menos, transformá-la num museu. Ao seu lado, numa construção de madeira de 1921, a família construiu uma casa em madeira que também chama a atenção e virou parte do patrimônio da cidade.

roteiro-historico-em-garibaldi_mansao_viajando-bem-e-barato

Prefeitura Municipal – 1903

Foi construída e idealizada para substituir o antigo prédio onde funcionava o Paço Municipal, que já não dava conta da Prefeitura da progressista Garibaldi do início do século XX. Os engenheiros que tocaram a obra foram Heitor e Agostinho Mazzini (o proprietário da Mansão Mazzini) e a obra tem estilo eclético e com vários elementos ornamentais. Eu achei aqueles detalhes da janela lindos! 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_prefeitura_viajando-bem-e-barato

Capela dos Capuchinhos – 1931

Foi projetada pelo engenheiro Agostinho Mazzini por encomenda dos Freis Capuchinhos, que chegaram em Garibaldi em  18 de janeiro de 1896 direto da França para acompanhar espiritualmente a chegada dos imigrantes italianos que ali buscavam uma vida melhor. A Capela foi inspirada em um templo francês e, ali, os freis fundaram a primeira Província Capuchinha do Rio Grande do Sul. O espaço onde antigamente funcionava o Convento dos Capuchinhos, aliás, hoje abriga uma pousada que só serve refeições orgânicas aos seus hóspedes, que tem muito contato com a natureza no enorme terreno doado aos freis.

roteiro-historico-em-garibaldi_capela_viajando-bem-e-barato

Casa Californiana – Década de 50

O estilo californiano de construção está bem presente nessa casa que mais parece moradia de bonecas de tão bonitinha e bem conservada. São características desta época a varanda em arco com prolongamento inclinado da parede e também a utilização de pedras rústicas como ornamentos decorativos. Na década de 50, esse estilo de construção começou a se popularizar bastante no Brasil e é, provavelmente, o único estilo pan-americano de arquitetura. Sua utilização tinha inicialmente um significado de autoafirmação nacional, em contraponto a arquiteturas de simples ‘cópias’ europeias.

roteiro-historico-em-garibaldi_californiana_viajando-bem-e-barato

Casa Paulo Chesini – 1924/27

Construída inicialmente para uso residencial, começou a ser erguida em 1924 bem no Centro de Garibaldi. Com o passar do tempo, o proprietário Paulo Chesini instalou serviços de bar e restaurante e, para o lazer, uma cancha de bocha em um barracão de madeira construído junto à casa. Hoje, a casa abriga comércios diversos pela sua localização privilegiada e é chamada também de “Galeria Central” – fico imaginando como uma só família conseguia morar numa casa tão enorme!

roteiro-historico-em-garibaldi_casa-paulo-chesini_viajando-bem-e-barato

Casa Luigi Toniazzi – 1893

Esta casa tipicamente italiana foi idealizada por seu dono, o antigo alfaiate de Garibaldi, Luigi Toniazzi. A ideia era erguer uma construção que fosse uma verdadeira cópia ampliada do prédio da família que ficava em Maróstica, Itália. No térreo da enorme casa ficava a alfaiataria, no primeiro andar a residência e no terceiro, um alojamento para aprendizes de alfaiate. O prédio sediou também a agência do Banco Pelotense e, hoje, abriga comércio.

roteiro-historico-em-garibaldi_casa-tozzini-viajando-bem-e-barato

Casa Mottin – 1921

Sabe aquele armazém do começo do século XX que vendia absolutamente de tudo, funcionando como verdadeiro centro nervoso da cidade? Esse era o “Baratilho de Lourenço Mottin”, que funcionava nesse prédio imenso de esquina e comercializava desde legumes e hortaliças até louças e produtos importados. Conta-se que Lourenço era um comerciante bastante experiente que sabia negociar preços e, por isso, sabia comprar pra vender mais barato. O “Baratilho” fechou em 1970 e, ao lado da parte principal do prédio, funcionava uma sala dos Correios. Também ao lado da construção, havia uma bica d’água que abastecia parte do Centro de Garibaldi.

Casa Koff Nehme – 1923

Essa casa fica no coração do Centro Histórico de Garibaldi e sempre chamou minha atenção pelos ornamentos delicados e fachada marcante. A construção foi projetada pelo engenheiro Valentim Maffaziolli a pedido do primeiro proprietário, André Pedro Koff. Em 1955, o enorme prédio foi adquirido por João Nehme, também comerciante. O detalhe ornamental faz alusão a Mercúrio, Deus do Comércio na mitologia romana e, na fachada, pode-se também ver as iniciais do primeiro proprietário, “APK” – um costume das famílias mais ricas da época.

roteiro-historico-em-garibaldi_koff-nehme_viajando-bem-e-barato

Museu e Arquivo Histórico – 1884

O prédio original era em madeira e, claro, abriga hoje um museu e o Arquivo Histórico de Garibaldi, uma iniciativa louvável da Prefeitura para uma construção tão antiga e característica dos antigos prédios públicos. Antes de 1884, a casa de madeira abrigava a antiga “Soccietá Italiana de Mútuo Soccorso Stella D’Italia”. A partir de 1884, começou a ser erguida a construção em alvenaria que está lá até hoje – uma obra que demorou até 1892 para ser concluída. Em 1913, passou a abrigar um hospital e, a partir de 1914, foi entregue ao governo italiano (neste ano, iniciava a I Guerra Mundial). Muitos anos depois, a construção virou Museu – o ano era 1985 – e ali permanece até hoje. Visita pra uma próxima ida a Garibaldi, com certeza! 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_museu_viajando-bem-e-barato

Casa das Gaiutas – 1897

A Casa das Gaiutas é uma das mais antigas da cidade e é uma edificação térrea e geminada. A Casa apresenta pestanas e friso de volutas unindo as vergas das aberturas. Tem como particularidade as gaiutas, também conhecidas como mansardas ou águas-furtadas que são pequenas construções de madeira para iluminar e ventilar o sótão. Hoje, abriga o departamento de trânsito estadual – nós até brincamos dizendo que é, com certeza, o DETRAN mais bonito de todo o Rio Grande do Sul! 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_casa-das-gaiutas_viajando-bem-e-barato

Pharmacia Providencia – 1900

Este prédio fica bem no centro da cidade e, inicialmente, funcionava como residência da família de Arduíno D’Arrigo na parte de cima e, embaixo, toda a população de Garibaldi e das cidades vizinhas encontrava seus medicamentos. E, devido à localização privilegiada da edificação, sua sacada foi palco de discurso de políticos importantes como Getúlio Vargas e Borges de Medeiros. Hoje, a parte de baixo abriga uma loja de decoração super charmosa, nunca resisto e acabo entrando! 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_pharmacia_viajando-bem-e-barato

Igreja Matriz – 1924

A construção da Igreja Matriz foi uma iniciativa do Frei Bruno de Guillonay. Inspirado em projeto encomendado na França, o engenheiro Agostinho Mazzini foi o responsável pela execução. Além da arquitetura com linhas góticas, destacam-se os vitrais coloridos, as pinturas murais, o altar artístico, a estatuária e seu imponente órgão de tubos. A Matriz é o mais importante símbolo de religiosidade de Garibaldi e, até hoje, chama a atenção dos transeuntes pela imponência.

roteiro-historico-em-garibaldi_igreja_viajando-bem-e-barato

Casa Fortunato Chesini – 1921

Nesta casa foi fundada a Cooperativa Vinícola Garibaldi, onde teve início a elaboração e engarrafamento de vinhos. A construção conserva ainda o porão usado para a atividade da produção de vinhos e o mais bacana é que recebe milhares de turistas todos os anos, justamente pela atividade intensa da vinícola – ou seja: está em pleno aproveitamento da população e à todo vapor! 🙂

roteiro-historico-em-garibaldi_fortunato_viajando-bem-e-barato

O roteiro “Passadas – A Arquitetura do Olhar” ainda tem mais construções a serem conferidas, mas a gente não tinha mais muito tempo antes de começar o Garibaldi Vintage, então foi o que deu pra conhecer numa caminhada pela cidade… Mas deixou aquele “gostinho de quero mais” e, certamente, quero concluir o roteiro!

Se você quiser conferir o trajeto completo, dê uma espiada no site da Secretaria de Turismo de Garibaldi ou salve o mapa abaixo:

mapa

Se você estiver em Garibaldi, pode curtir alguns passeios na Estrada do Sabor (já fizemos post sobre a Osteria Della Colombina e a Casa Vaccaro); ou ainda pode ir até Bento Gonçalves passear nos Caminhos de Pedra ou dar uma esticada até o interior de Caxias do Sul na Hospedaria Rio do Vento e na Barlavento. Outra boa dica é conferir as delícias da culinária moderna “escondidas” no Champenoise Bistrô, que fica em Pinto Bandeira e também sugerimos dar uma passeada pelo Vale dos Vinhedos, conhecendo a Vinícola Dom Laurino e o Wine Garden Miolo.

Aqui no blog nós amamos a Serra e a nossa dica de hospedagem por lá é o ótimo Hotel Casacurta, que tem 20% de desconto para nossos leitores e proporciona uma baita experiência de conforto e tradição!

____

Recomendados pelo blogueiro para uma viagem perfeita
Alugue seu carro com Rental Cars ou RentCars
Reserve seu hotel
Compre seu ticket de trem
Evite filas comprando ingressos antecipados
Organize passeios nas cidades e arredores
Reserve seu voo
Viaje tranquilo com seu seguro viagem Real Seguros, Mondial Assistance ou World Nomads
Serviço de câmbio confiável e com boas taxas, com desconto para leitor do Viajando: Confidence

_____

banners05animado01

Tags

2 Comentários

  1. Fotos e histórico de primeira. Prédios lindos e bem conservados. Parabéns pelo trabalho. Ajuda a despertar em nós o interesse pelos valores locais, que vemos desde a infância como coisas banais. Obrigado!

    Comente
    • Rogerio Milani

      Oi Valdir, tudo bem?!

      Para nós, eu como garibaldense e a Manu como alguém que curte demais Garibaldi, é sempre um prazer muito grande falar e escrever sobre esta linda cidade! Muito obrigado pelos elogios!

      Abração!

      Comente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *