Viagem pela Grécia e Holanda – o roteiro personalizado de Rogéria pela Europa

Atualizado por em 14/09/2017

Rogério Milani

A Rogéria contratou nossos roteiros personalizados do blog para realizar um grande sonho seu: uma viagem pela Grécia e Holanda! Saiba tudo sobre esta viagem inesquecível que ela fez!

Viagem pela Grécia e Holanda

Viagem pela Grécia e Holanda: As cidades

A Ilha de Rhodes é linda e surpreendente, uma mistura de culturas, por ser próxima da costa da Turquia. A cidade medieval é incrível, cercada por muralhas, simplesmente de tirar o fôlego. Rhodes ainda permite um mergulho num mar lindo, com tonalidades de azuis inimagináveis. A partir de Rhodes é muito fácil visitar Lindos e Symi, como eu fiz. Reservei um dia para Lindos, um para Symi e dois para explorar a ilha de Rhodes, tempo suficiente.

Como eu prefiro liberdade nos passeios, optei por ir de ônibus até Lindos – o ônibus sai da pracinha central e a passagem de ida e volta custa €11,50, a viagem leva cerca de 1h30. Na vila de Lindos não circulam carros, o que torna o passeio pela cidade muito mais agradável. A Acrópole vale uma visita sem pressa (entrada €12,00) e depois, para amenizar o calor, ainda tem uma praia incrível. Já, para Symi, fui de barco, comprei o passeio direto no porto de Mandráki e custou €20,00. A primeira parada é no Mosteiro do Arcanjo São Miguel, em Parnomiti. Depois, o barco segue para Symi, uma vila muito charmosa com casas coloridas e uma praia com muitas pedras, sapato com solado de borracha é imprescindível.

Durante a viagem, ao invés de ir para Spetses, onde ficaria por dois dias, optei por ir até Nafplio para passar um dia e no outro fazer um minicruzeiro para Spetses e Hydra. Quase não consegui sair de Nafplio, no fim passei três dias por lá. Aproveitei para conhecer Epidauros num dia (inesquecível!) e no outro Micenas, ambos de ônibus (passagens ida e volta no valor aproximado de €7,50 e entradas nos sítios arqueológicos €12, para cada), e no outro dia curti a pacata cidade de Nafplio, além de conhecer a Acrópole, claro! Infelizmente, o cruzeiro não iria sair no dia da semana planejado e essa mudança me fez sacrificar a ida até Milos – ficou como (mais) um motivo para voltar à Grécia.

Viagem pela Grécia e Holanda

Enfim Atenas, uma cidade na qual pude dar vida às minhas aulas de história, foi emocionante, muitos sítios arqueológicos, em cada cantinho uma nova descoberta. E a Acrópole? Nem acreditei quando a visitei! Recomendo chegar cedo, até as 8h30 para não pegar fila na compra da entrada (€30,00 o combo que da direito a entrada em outros sítios arqueológicos, vale a pena para quem tem tempo). Infelizmente não saí do reduto turístico (o hotel ficava em Plaka), pois não achei uma cidade segura. Nas ilhas não percebi crise, mas em Atenas ela é bem visível. Muitos prédios abandonados, pichados e pessoas pedindo dinheiro nas ruas, não muito diferente do Brasil. Difícil compreender como o berço da civilização ocidental está numa situação tão difícil. Três dias em Atenas é o suficiente para conhecer os principais sítios arqueológicos sem pressa.

E Amsterdã, sem palavras! Que cidade dos sonhos! Mais um dia por lá seria o ideal (fiquei dois e meio). Limpa (não impecavelmente limpa como imaginei, mas limpa), organizada, cosmopolita, florida, prédios antigos, clima agradável, tudo isso junto, o que poderia ser melhor? Não vi pessoas ou crianças perambulando pelas ruas. Confesso que foi difícil deixá-la…

Viagem pela Grécia e Holanda

Os voos

Os voos foram bons, escolhi KLM, Air France, Olympic Air e Gol. O que quase deu errado foi a volta para São Paulo, pois tinha pouco tempo pra fazer conexão em Paris e, para piorar, o voo atrasou em Amsterdã. Resumindo, tive que correr muito para não perder o voo em Paris, mas graças a Deus consegui chegar ao portão de embarque a tempo (o embarque já havia começado, ufa!). Felizmente não me perdi no aeroporto enorme de Charles de Gaulle e não havia fila na imigração. Mas, de novo, graças a Deus, deu tempo! Se eu perdesse a conexão, também perderia o voo para a minha cidade e demoraria mais um dia pra chegar em casa, seria um grande transtorno e mais um gasto com passagem aérea de última hora.

Viagem pela Grécia e Holanda

As hospedagens

Em Rhodes me hospedei no Phartenon Hotel – o hotel tem excelente localização, perto da praia, bares, restaurantes e numa caminhada agradável pela orla eu já estava na cidade medieval ou no porto de Mandraki. Equipe atenciosa e café da manhã incluso. O único problema da acomodação era o box do banheiro, que era muito pequeno, nada comparado ao excelente custo-benefício (€28,00 a diária). Solicitei check-in antecipado, fui atendida e não fui cobrada por isso. O Wi-Fi era pago – custava €3,00 por 24 horas de uso.

Em Nafplio encontrei a Filyra Pension, muito bem localizada próxima da praça, ponto de chegada/partida dos ônibus, de cafés, bares e restaurantes. Na chegada fui informada por uma senhora muito simpática que não havia café da manhã, porém o frigobar era abastecido com iogurte, frutas e água e, em cima do frigobar, havia uma cesta com geleias, manteiga, torradas, açúcar, sachês de café e chá, além de uma jarra elétrica, ou seja, era um café da manhã completo! E não fui cobrada pelo consumo de nenhum desses itens. Mais uma vez um box pequeno, que comparado aos benefícios não foi nenhum problema (€55,00 a diária). Wi-Fi gratuito.

Viagem pela Grécia e Holanda

Em Atenas a hospedagem foi no Phaedra Hotel, localização excelente (em Plaka), perto dos principais sítios arqueológicos, eu estava entre a Acrópole e o Templo de Zeus e ainda fui acomodada num quarto com vista para a Acrópole, isso não tem preço! Equipe atenciosa, não tinha café da manhã, porém poderia ser solicitado, o valor era de €5 por pessoa. O único problema era o banheiro, fora do quarto (mas em frente), conforme constava na descrição do Booking, recebi a chave da acomodação e do banheiro, que era privativo. Wi-fi gratuito (€75,00 a diária, a vista para a Acrópole a noite é inesquecível!).

E em Amsterdã o escolhido foi o Budget Tourist Inn, um hostel muito bem localizado, próximo da estação central. Equipe atenciosa, elevador, café da manhã incluso. Para os padrões dos hotéis da cidade, um hostel econômico mas, para os meus, bem caro, porém valeu a pena. O quarto era bem pequeno (se eu tivesse muita bagagem teria problemas com espaço), fiquei num quarto com banheiro privativo (isso encareceu muito o valor da diária). Solicitei o check-out tardio, mas não fui atendida. Wi-fi gratuito (€125,00 a diária).

Viagem pela Grécia e Holanda

Como cheguei aos hotéis

Em Rhodes utilizei táxi (€25,00 do aeroporto ao hotel); em Atenas (quando cheguei de Rhodes) peguei o trem do aeroporto até a praça Sintagma (€10,00) e dali um táxi até a rodoviária (€10,00), de onde parti de ônibus para Nafplio (€14,40 a passagem).

Chegando a Nafplio encontrei a Filyra Pension, que era bem próxima da Prefeitura, local de saída/chegada dos ônibus; em Atenas, utilizei táxi da rodoviária até o hotel (€12,00), pois cheguei de Nafplio de ônibus e a região da rodoviária era meio estranha; e em Amsterdã, trem até a estação central (€5,20 no guichê), de onde fui a pé para o hostel, que ficava a oito minutos de caminhada dessa estação.

Viagem pela Grécia e Holanda

Transporte

Comprei apenas os passes para o transporte necessário, em rodoviária e guichês, não utilizei aqueles passes por 24h, 48h ou 72h, pois o custo-benefício não valia a pena.

Ingressos antecipados

Comprei ingressos antecipados somente em Amsterdã, comprei para o Museu Van Gogh, passeio noturno pelos canais, Heineken Experience e Rijksmuseum. Valeu a pena, pois não enfrentei fila em nenhum local e ganhei mais tempo. Não tive nenhum problema com os vouchers eletrônicos, bem práticos.

Ingressos de atrações turísticas podem ser comprados diretamente no site de cada atração ou então todos em um único lugar e uma única compra.

Viagem pela Grécia e Holanda

Seguro de viagem obrigatório

Não precisei usar o seguro obrigatório de viagem. Mas, se você está pensando em viajar pra conhecer a Europa, confira este post sobre o seguro viagem, sua obrigatoriedade e dicas.

Os procedimentos de imigração

Fiz a imigração em Amsterdã, os agentes são bastante rigorosos, porém não tive problemas, fizeram as perguntas de praxe (quantos dias eu iria ficar, pra onde eu iria) e pediram para a ver a passagem de volta. Expliquei ao agente que não falava inglês, então ele perguntava com palavras-chave e eu também respondia com palavras-chave, meu único conhecimento em inglês, demorou um pouco, porém consegui passar. Tive bastante receio, por não falar inglês, mas deu tudo certo.

Viagem pela Grécia e Holanda

O clima durante a viagem

Viajei no início de junho, verão na Grécia, por isso peguei muito calor (protetor solar, óculos de sol e chapéu obrigatórios, pois nos sítios arqueológicos quase não tem sombra) e nenhum dia com chuva. Em Amsterdã, os dias foram de clima agradável.

Internet e telefonia

Não comprei nenhum chip local, utilizei somente Wi-Fi nos hotéis e nas áreas públicas em que esse serviço estava disponível.

Viagem pela Grécia e Holanda

Avaliação da consultoria

Essa foi minha primeira viagem à Europa e poder contar com um roteiro me trouxe mais segurança, pois sabia os locais que iria visitar, o transporte que seria utilizado etc. Essa segurança também permitiu algumas adaptações de última hora para aproveitar os locais que mais gostei. Sobre o trabalho do Rogério, tenho só elogios, pela atenção e dedicação.

No início tive dúvidas e quase desisti por eu não falar inglês, mas as conversas com o Rogério me incentivaram e ganhei confiança para encarar essa aventura sozinha, aliás, sozinha não, fomos eu e Deus, que permitiu que tudo desse certo! Além das dicas, de entregar o roteiro prontinho (não sem antes conversamos muito até chegarmos ao roteiro ideal), de tirar minhas muitas dúvidas sem perder a paciência, rs.

Também estou motivada e vou fazer um curso de inglês, apesar de não ter tido muita dificuldade (imaginava um pesadelo, mas encontrei pessoas muito solícitas pelo caminho e também utilizei o aplicativo Google Tradutor). Comprovei que a linguagem falada não é a única forma de comunicação e que é possível sim viajar sem falar inglês, os perrengues fazem parte de qualquer viagem, já passei muitos viajando pelo Brasil, e rendem boas histórias. O único ponto negativo foi ter perdido a oportunidade de conversar com outras pessoas, de fazer novos amigos, de pedir informações e dicas sobre os locais… Enfim Rogério, muito obrigada por me incentivar e me ajudar a realizar esse sonho!

Rogéria
Porto Velho/RO
Data da viagem: Junho 2017

Viagem pela Grécia e Holanda

____

Recomendados pelo blogueiro para uma viagem perfeita
Guias, transfers, hospedagens e outros serviços para uma viagem tranquila e segura
Alugue seu carro com Rental Cars ou RentCars
Reserve seu hotel
Compre seu ticket de trem
Evite filas comprando ingressos antecipados
Organize passeios nas cidades e arredores
Reserve seu voo
Viaje tranquilo com seu seguro viagem Real SegurosMondial Assistance ou World Nomads
Serviço de câmbio confiável e com boas taxas, com desconto para leitor do Viajando: Confidence

_____

banners05animado01

Tags

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *